Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

No meu reino

Episódios de uma família como tantas outras

No meu reino

Episódios de uma família como tantas outras

Recordar Paris...

O que dizer de Paris? É uma senhora elegante, imponente e cheia de encantos!!! Um poema materializado, a cidade luz e do amor deslumbrou-me e deixou-me com vontade de lá voltar.

Conheci Paris em fevereiro de 2012. Não foi a melhor altura do ano para visitar a cidade, confesso, porque apanhei temperaturas de 13 graus negativos durante o dia e em uma das noites estava qualquer coisa como 26 graus abaixo de zero! Coisa pouca, portanto! O frio, assim como a chuva, pode estragar ou condicionar severamente uma viagem. Aconteceu-me não poder realizar algumas atividades que tinha planeado devido ao frio excessivo, como um passeio de barco pelo rio Sena ao final da tarde, por exemplo. Mas com camadas e camadas de roupa, que me fizeram sósia do boneco da Michelin, muito chocolate quente e chupar pastilhas de Strepfen como quem chupa rebuçados, deu para fazer o essencial.

Da experiência de Paris, destacaria os edifícios da cidade. Mesmo os prédios habitacionais são um espanto! Passei a compreender melhor a expressão "à grande e à francesa", porque, de facto, aqueles senhores tratam a elegância e magnitude por tu! Como diria o Dâmaso Salcede, é tudo "Chic a valer!" As montras das lojas e pastelarias também são um deleite para os olhos! Está tudo tão bem arranjado, dá mesmo vontade de passear pelas ruas! Os monumentos encontram-se, igualmente, bem apresentados e conservados. Adorei as charretes dos crepes que se viam por todo o lado e, claro está, ninguém resiste a um crepe com nutella e banana, à bela maneira "parisienne"! E as pontes de Paris??? Ai, as pontes de Paris!!! Pena que retiraram a ponte dos cadeados. Tinha guardado o meu para colocar com o meu amor numa próxima visita! Uma foto na parede do amor terá de bastar!

Não houve algo de que gostasse particularmente. Paris é um todo e foi esse todo que trouxe na memória. Recordo, contudo, com maior saudade a zona de Montmartre, um dos bairros mais encantadores e charmosos de Paris, onde se inspiram os pintores e se respira arte!

O que não me deixou, certamente, saudade foi a rudeza dos franceses. Tirando o porteiro do Ritz (não, não fiquei lá hospedada, com muita pena minha!), foram todos antipáticos e arrogantes! Os preços também são de fugir, mas Paris é Paris! Voltarei, desta vez com os meus príncipes!

 

P1070292.JPG

P1070299.JPG

P1070300.JPG

P1070309.JPG

P1070310.JPG

P1070318.JPG

P1070321.JPG

P1070327.JPG

P1070331.JPG

P1070333.JPG

P1070346.JPG

P1070351.JPG

P1070353.JPG

P1070355.JPG

P1070373.JPG

P1070388.JPG

P1070393.JPG

P1070431.JPG

 

Soluços do bebé na gravidez

A minha little C. tem tido muitos soluços nos últimos dias. Recordo-me que o irmão também era assim. As mamãs têm, por vezes, dificuldades em identificar os soluços. Na minha primeira gravidez achei que o bebé estava com convulsões! Para as mães de primeira viagem e para que os possam identificar, os soluços assemelham-se a uma espécie de pancadinha, ritmada e que poderá durar alguns minutos. 

Os soluços são provocados por espasmos normais e costumam ocorrer durante o 2º trimestre da gravidez, intensificando-se no 3º trimestre. Para quem desconhece, o soluço trata-se de um movimento natural e indolor, que antecede a respiração e ajuda o bebé a alargar os seus pulmões e a fortalecer o seu diafragma. No fundo, o bebé está,  nada mais nada menos, do que a praticar movimentos respiratórios e a preparar-se para a vida fora do útero. Como refere a GO Camila Barião, quando ocorre um soluço acontece "...uma contração involuntária do diafragma, que é o principal músculo envolvido na respiração. Quando o bebê soluça, na verdade, ele está praticando movimentos respiratórios, e isso não traz nenhum tipo de problema ou risco. Muito pelo contrário, é um sinal de bem-estar fetal” (www.bolsademulher.com).