Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

No meu reino

Episódios de uma família como tantas outras

No meu reino

Episódios de uma família como tantas outras

Lista da maternidade

A dias de completar 32 semanas de gestação (e correndo o risco de ela chegar antes do tempo...), está na hora de preparar a mala para levar para a maternidade. A lista da maternidade depende um pouco do local onde o bebé nascerá. Se, por exemplo, o bebé nascer no privado há algumas coisas que a mãe não precisará de levar, como toalhas de banho e produtos para o banho do bebé. Não estando totalmente fechada a decisão sobre o local do parto, vou basear-me na lista que elaborei da primeira gravidez. Ao revê-la rapidamente percebi que tenho quase tudo comprado para ela, mas falta ainda muita coisa para mim. A ver se me despacho (abençoadas compras on-line!). Assim:

 

Para a mamã:

  • 2/ 3 camisas de dormir, abertas à frente (frescas);
  • Robe ou casaco de algodão (optarei pelo casaco);
  • 2 pares de chinelos,uns de quarto com base em borracha e umas havaianas para tomar banho;
  • 2 soutiens de amamentação;
  • Cuecas descartáveis em rede ou de algodão (levarei de algodão, sinto-me mais confortável);
  • 1 faixa ou cinta pós-parto (recomendo! Do meu primeiro filho fiquei sem barriga ao fim de 2 semanas e acredito que a faixa tenha ajudado);
  • Produtos de higiene pessoal (champô, gel de banho, creme corporal, serúm capilar, pasta dos dentes e escova. desodorizante, etc...) ;
  •  Pensos higiénicos tipo noite;
  • Discos de amamentação em algodão;
  • Óleo de amêndoas doces;
  • Creme para as estrias (muito importante continuar a colocar no pós-parto);
  • Lenços de papel;
  • Creme para os mamilos;
  • Protetores/ arejadores dos mamilos da Medela: para quem não conhece, são uma espécie de tampas com uns furinhos que têm um reservatório para o leite que vai caindo entre mamadas e que impedem que o peito fique húmido. Apesar de não ser propriamente prático (esaquecia-me que os tinha posto e quando me baixava molhava-me toda), ajudou-me muito a não ficar gretada;
  • Mamilos de silicone da Medela: outra coisa que funcionou bem comigo;
  • Telemóvel e carregador;
  • Máquina fotográfica e carregador;
  • Elásticos, fitas e ganchos do cabelo;
  • Exames realizados durante a gravidez;
  • Documentos pessoais;
  • Caderneta da Grávida;
  • Roupa para a saída.


Para a minha little C.:

  • 4/6 conjuntos de roupa (Conjunto de: 1 Babygrow de algodão+1 body interior manga comprida+umas calcinhas interiores de algodão+ meias+gorro);
  • 2 Toalhas de banho;
  • 1 Manta de algodão;
  • 4 Fraldas de pano;
  • Fraldas descartáveis para recém-nascido: comprei estas pelo facto de terem um recorte na zona do cordão umbilical e já tinha usado quando nasceu o meu primeiro filho;

  • Toalhetes de limpeza; comprei Dodot Sensitive;
  • Produtos de higiene (gel de banho corpo e cabelo; creme hidratante corpo; creme hidratante rosto; levei quando foi do meu princípe, mas não usei)
  • Soro fisiológico em doses individuais para desobstrução nasal: comprei este:

 

  • Gazes esterilizadas;
  • Alcool a 70º especial para desinfeção do cordão;
  • Quadrados de algodão;
  • Tesoura de pontas reddondas e lima para as unhas (o meu princípe nasceu com umas autênticas garras!);
  • Escova suave;
  • Chupeta Chicco tetina fisiológica (também levo uma da Nuk, just in case...);
  • Biberão Dr. Brown's: sou fã!!! Estes biberões têm um sistema de ventilação completa que impede a entrada de ar através de uma válvula na boquilha, que impede que o bebé engula o ar, o que reduz a formação de cólicas:

 

  • Creme para o rabinho: usarei o Eryplast, por recomendação do pediatra;
  • Óleo de amêndoas doces; 
  • Alcofa;
  • Ovo;
  • Porta documentos bebé;
  • Sacos para a roupa suja;
  • Roupinha para a saída.

 

Depois da visita à maternidade, atualizarei!

Frases que me têm dito ao longo da gravidez

Quando estamos grávidas ouvimos muitos comentários, de todo o tipo. Acredito que quando as pessoas tecem comentários pouco agradáveis não o façam propositadamente, porém a probabilidade de ferirem a grávida é sempre elevada. As hormonas não perdoam e basta, por vezes, uma palavra menos calculada para arrasar com uma mulher neste estado.

Confesso que tenho recebido de tudo, dos mais agradáveis aos desagradáveis. Ainda assim, fui presenteada com um ou dois comentários que me deixaram a bufar e com vontade de perder a compostura e rodar a saia!!! Aqui vão as preciosidades para mais tarde recordar:

 

Os positivos:

  • "A E. está sempre bonita! É uma grávida gira!": da autoria da minha GO. Uma querida, que deixa sempre as suas pacientes tranquilas e com o ego em alta! Dela ouvi também:
  • "Está uma grávida elegante! Nem parece que está grávida!": isto as 6 meses de gravidez soube mesmo bem. Sou do tipo de grávidas que não gosta que se perceba logo que está grávida (...e que tem um medo terrível da balança!)
  • "Que barriga tão pequenina, tão querida, tão fofinha!": da minha cabeleireira.

 

Os negativos:

  • "Estás feia de magra!": dos meu pais. Que amores!!! Emagreci 4 kg num mês, é natural o ar abatido e o rosto afunilado!!!
  • "A bebé mexe muito? É porque não comes nada!": da minha sogra. Faz todo o sentido...a bebé está cheia de energia, porque como pouco! Não, não como pouco. Até como muito bem. Apenas não como por 2 ou 3. Nem todas as grávidas têm de ficar com ar de "Popota" para estarem bem e saudáveis.
  • "Que lírica!": do meu pai, quando gemia de dores no sofá!
  • "Mãe, estás velha!": do meu filho. Acha que tenho "riscos no rosto", que são somente as marcas da almofada por estar todo o dia deitada. Mas acredito que tenha envelhecido um bom par de anos nos últimos meses.
  • "Não estás mais feia. Estás mais desleixada e desgrenhada!": do pai da criança, quando lhe perguntei se concordava com o comentário dos meus pais. Estar deitada todo o dia e passar a vida de pijama faz destas coisas. Nenhuma grávida de risco tem como preocupação passar um rímel pelas pestanas para ficar mais bonita. E sim, há dias em que nem me penteio!

Lugares onde fui feliz...Praga

Uma das coisas que mais me custa em estar grávida e de cama é não poder viajar. Provavelmente, só poderei viajar para fora do país dentro de um ou dois anos. Não gosto muito de arriscar ir com bebés pequenos para fora do país, acho demasiado imprudente expo-los a riscos desnecessários. É certo, porém, que estou a ressacar deste meu vicio saudável. E como para mim é impensável viajar sem os meus filhos, resta-me fazer planos para o futuro e revisitar memórias.

Já tive, felizmente, oportunidade de conhecer grande parte dos destinos que queria mesmo conhecer. Como sou muito europeísta e cosmopolita, a generalidade foram cidades europeias, ainda que conheça alguma coisa fora do velho continente. Praga figurou, durante muito tempo, no meu top 3, uma viagem que fui adiando, adiando e adiando, até que, em 2013, lá fomos conhecer uma das joias da Europa.

Foi uma viagem a 3, tinha o meu príncipe 4 anos, depois de uma curta paragem em Milão, que ainda deu para o petiz ter um cheirinho de Itália, destino que amo de paixão. Marcámos a viagem para junho para fugir à loucura dos meses de verão e ao clima glaciar do inverno. Esperávamos, portanto, temperaturas amenas e um sol radiante. Porém, azar dos azares, dois dias antes da nossa partida, a cidade foi invadida pelas enxurradas que atingiram toda a Europa central e que quase nos levou a cancelar a viagem. As previsões de melhoria de tempo levaram-nos, contudo, a arriscar e...foi o melhor que fizemos! De facto, não fossem os sacos de areia junto ao rio e à famosa Charles Bridge, jamais conseguiríamos afirmar que a cidade tinha sido inundada há apenas 2 ou 3 dias atrás! Apanhámos uns chuviscos e um aguaceiro, mas ainda conseguimos ver Praga debaixo de um sol radioso. Pena ter sido apenas no último dia!

Praga correspondeu a tudo o que idealizei; é linda de morrer! A elegância dos edifícios, a beleza dos jardins, a cultura latejante, a abertura do povo, os mercados de rua, a atmosfera da cidade, os cheiros, o seu charme natural...enfim, a cada esquina, em cada rua que percorremos dá vontade de disparar o flash. Assim, não poderia concordar mais com o Travel quando a define como uma cidade que apresenta  uma espécie"chocolat box prettiness". Agradeço ao Kafka que deu o mote a esta viagem e me inspirou a conhecer a terra que o viu nascer!!!

E hoje acordei com saudades de Praga! E do trdelnik (bolo tradicional checo, em forma de rolo que mostro abaixo). Comia meia dúzia! As minhas gravidezes trazem-me destes desejos estranhos! Na gravidez do meu filho pensava a cada passo num croissant com chocolate e amendoins que comi em Barcelona! Coitado do pai das minhas crias se isto dos desejos fosse para levar a sério!

IMG_0672 (1).JPG

IMG_0676 (1).JPG

IMG_0678 (1).JPG

IMG_0710 (1).JPG

IMG_0711 (1).JPG

IMG_0742 (1).JPG

IMG_0786.JPG

IMG_0788.JPG

 IMG_0842.JPG

IMG_1132.JPG

IMG_1164.JPG

IMG_1170.JPG

IMG_1201.JPG

IMG_1243.JPG

IMG_1266 (1).JPG

IMG_1304 (1).JPG

IMG_1279 (1).JPG

IMG_1305 (1).JPG

IMG_1306 (1).JPG

IMG_1313 (1).JPG

 

IMG_1065.JPG

IMG_1331.JPG

 

 

 

E chegámos hoje às 31 semanas de gravidez...

 

Às 31 semanas de gravidez:

  • O bebé mede cerca de 41 cm (comprimento da coroa aos pés) e pesa aproximadamente 1500 g.
  • Apesar de o ritmo de crescimento começar a abrandar, o peso continua a aumentar e o bebé começa a acumular reservas de gordura que lhe dão formas redondinhas. O bebé passa a maior parte do tempo a dormir mas quando acorda mexe-se vigorosamente. (É FAVOR! VEM AÍ UMA ACROBATA!)
  • O ritmo de crescimento abranda por volta desta semana.
  • O cérebro atravessa mais um período de rápida expansão. Continua a crescer e aumentar o número de ligações entre as células nervosas.
  • A íris torna-se colorida (a cor definitiva só aparece entre os 6 a 9 meses de idade, após a exposição dos olhos à luz natural) e as pupilas reagem à luz, sendo já capazes de distinguir a luz natural da artificial através da parede uterina.
  • Os cabelos tornam-se mais espessos.
  • Os pulmões ainda não estão completamente amadurecidos, continuando a desenvolver-se.
  • As unhas dos dedos dos pés estão completamente formadas e continuam a crescer.
  • Com a falta de espaço no útero, o bebé dobra as pernas, que ficam encolhidas sobre si mesmas (posição fetal). A pressão sobre a zona pélvica aumenta. (JÁ REPAREI!)
  • O bebé já consegue sentir as carícias feitas no abdómen da mãe, que acha bastante reconfortantes e agradáveis. Massajar a barriga é uma forma muito especial de estabelecer contacto e comunicar com o seu filho. (ELA GOSTA!!!)

 

A mamã:

  • O peso do útero continua a aumentar: durante a gravidez, o seu peso cresce cerca de 20 vezes em relação ao seu peso normal (de 70 g passa para cerca de 1 kg no termo da gestação).
  • Pode sentir-se mais inchada o que se deve ao aumento da retenção dos líquidos e ao aumento progressivo do volume de sangue em circulação (que durante a gestação pode aumentar 50%).
  • É comum sentir azia nesta fase devido à compressão do estômago. Para evitar indigestão, especialmente à noite, faça uma refeição ligeira ao jantar não se deite de seguida (TELL ME ABOUT IT!!!)

 

Dicas e sugestões:

  • Durante o 3º trimestre, com o cansaço acumulado, é natural que se sinta novamente com menos energia e letárgica. Mantenha os níveis de energia em alta através de uma dieta equilibrada, uma atividade física adequada e exercite a sua capacidade de concentração e relaxamento (AHHHH, AHHHH, AHHH...FOI PARA RIR!).
  • Aproveite todos os momentos para passar tempo de qualidade com o seu companheiro, para sair e para fazer o que mais gosta (BIS!)

 

Como eu gostava de ser uma grávida normal!

 

Fonte: http://www.maemequer.pt/estou-gravida/como-cresce-o-bebe/semana-a-semana/31a-semana-da-gravidez

Imagem retirada da Internet.

O banho do bebé

O banho do bebé não é apenas uma ação de mera higienização. É um momento importante para estabelecer laços entre os pais e a criança. O meu princípe adorava a hora do banho!!! 

Confesso que os primeiros banhos do meu filho foram dados pelo pai, só ajudei! Tinha muito medo de o deixar cair ou de o magoar! Só consegui dar-lhe banho sozinha depois de cair o cordão umbilical! Fui sempre uma mãe insegura, portanto.

Para o banho, há um conjunto de produtos que temos de adquirir:

 

1. Banheira: há muito por onde escolher, desde as mais tradicionais de plástico às insufláveis;

 

2. Toalhas de banho: convém ter pelo menos 3, com um bom turco, suave, porque a pele do bebé é muito delicada. Só comprei uma nova, branca e cinza, da Laranjinha. As restantes são heranças do irmão.

 

3. Produtos para o banho: escolhi a linha da Aveeno Baby, recomendado pelo pediatra. É uma linha muito hidratante e tem um cheiro muito suave. Do meu primeiro filho experimentei as linhas da Klorane, Mytosil e Mustela. Não fiquei fã de nenhum em particular. Vamos ver se estes meninos são tão bons como se apregoa:

 

 

 4. Pente ou escova: uso mais a escova, uma suave.

 

Alguns cuidados a ter na hora do banho:

 

1. Devemos manter as unhas curtas e retirar os anéis, pulseiras e relógio, sob pena de magoar o bebé;

2. Nunca dar banho depois de mamar; 

3. A banheira deve ser colocada em um local ou móvel que ofereça absoluta estabilidade, prevenindo acidentes; 

4. A temperatura da água precisa ser morna, em torno de 36,5 graus. Faça o teste no seu cotovelo, observando se ela está adequada ou quente demais.

5. A água colocada na banheira deve atingir, no máximo, 12 centímetros de profundidade (mais ou menos metade do comprimento do seu antebraço)

6. Não se deve acrescentar água quente na banheira depois de o bebé estar dentro dela, pelo risco de queimaduras.

7. O bebé jamais deve ser deixado sozinho no trocador ou na banheira, pois pode escorregar. (in http://www.minhavida.com.br)

 

O carrinho da nossa Little C.

Escolher um carrinho para um bebé dá uma trabalheira!!! São tantos os fatores a ponderar, nomeadamente a segurança, que para nós foi prioritária. A nossa escolha recaiu no Trio Ip-op el  da Bébecar. Confesso que demorei apenas minutos a escolher o carrinho, porque já tinha comprado Bebécar quando o T. nasceu. Por que motivo escolhi a Bebécar? Porque são muito seguros (o ovo está no topo da lista das recomendações da Deco), são lindos de morrer, muito elegantes, fáceis de abrir e fechar, têm uma qualidade espantosa (usei bastante e ao fim de 2 anos estava tudo como novo), os tecidos são ótimos e, por fim, é uma marca portuguesa, que é há vários anos a esta parte topo de vendas em Itália (e menos conhecidos em Portugal...que pena...)!

Há, porém, dois aspetos menos positivos: o preço (o preço dos trios mais básicos ronda os 700 euros) e não se arranja com facilidade, em qualquer loja!

Escolhemos em tons de bege e branco, discreto e sóbrio, portanto. A parte branca é em pele sintética e o tecido é texturado. O carrinho é bem mais bonito ao vivo do que nas fotos do catálogo, ao ponto de, inicialmente, nem ter reparado nele. Porém, quando o vi "live and colours" foi amor à primeira vista! A marca devia de apostar mais na produção fotográfica...e, já agora, em publicidade (tenho de deixar o desabafo de que na caixa do carrinho aparece "Made in Europe"!!! Fiquei mesmo incomodada...).

ki452.png

 

 

 

Espero dar uns belos passeios contigo, bebé C.!!!

O enxoval da Little C.

Depois de posts tão melodramáticos, decidi escrever algo mais rosa, mais leve.

É fácil perdermo-nos com o enxoval de uma menina. Há muito por onde escolher entre vestidos, saias, calções, conjuntos, chambrinhos, blusas, túnicas, fofos, tapa-fraldas, etc., etc. Procurei não perder a cabeça, até porque tenho muitas coisas que eram do irmão. E sim, é possível re-utilizar muitas peças independentemente do género do bebé: babygrows, interiores, collants, meias, alguns casacos, camisolas, jardineiras. Para o enxoval do irmão, optei por peças com cores neutras, não comprei muitas peças em azul e agora, confesso, estão a dar-me um jeitão. Ainda, aprendi muito com a experiência da maternidade do meu filho: a roupa de bebé deixa de servir, literalmente, de um dia para o outro. O meu filho tem várias peças que não conseguiu usar, porque quando experimentei já não serviam. Não vale a pena estar a gastar rios de dinheiro em roupinhas que vão utilizar meia dúzia de dias. Há que resistir à tentação (na primeira gravidez não consegui resistir)!

No que toca a vestuário de menina, tenho quatro perdições: vestidos, padrões polka dot, collants estampados e golas com folhos! Quanto a vestidos, já fomos presenteados com alguns. Comprei apenas um nos saldos da Lanidor, tamanho 6 meses, porque não consegui resistir ao padrão. Polka dot está presente em várias peças, nomeadamente collants (já tenho uns 18 pares, muitos com pintinhas - obrigada tia D.!) e chambrinhos. As golas com folhos marcam presença também nos vários chambrinhos que já comprei, interiores e babygrows. Como estou deitada e em repouso absoluto ainda não posso tirar fotos de tudo, mas fica aqui uma pequena amostra de algumas peças das quais gosto muito:

pelele-bebe-estampado-flores-volantito-cuello_v51lplpl40122_01.jpg

 

transferir.jpg

 

 

images (1).jpg

 

224d99e64d87804ee6d170fdaac27bdc266fee78 (1).jpg

 

Às 27 semanas de gravidez...

...numa consulta de rotina descobri que tinha o colo do útero curto, com apenas 25 mm. Para quem desconhece, o colo do útero curto representa o perigo de um parto prematuro. A par deste brinde, estava cheia de contrações, de Braxton é certo, mas ainda assim contrações às 27 semanas nunca é de ignorar. Resultado: voltei à cama, à progesterona e ao magnésio.

Confesso que passei três dias inteiros a chorar, não me consegui controlar. Voltei a sentir pavor de a perder, de pensar que poderia ter problemas de saúde se nascesse tão prematura...questionei-me sobre o que estaria a fazer mal...deixei-me mergulhar na angústia de que sentiria dores físicas e emocionais de novo. Senti uma revolta imensa por não poder viver a minha gravidez. Senti uma culpa galopante por me sentir assim, por não controlar as minhas emoções e por estar a prejudicar a minha bebé com este estado de espírito. Acredito que o nome certo para o que tenho passado seja depressão...porque fabulamos que este estado de graça seja tudo flores, sorrisos e uma felicidade imensa. E deveria de ser! Todas as grávidas deviam ter o direito a uma gravidez tranquila! Não é, todavia, fácil conseguir ultrapassar o sentimento de impotência quando os problemas batem à porta e quando está em causa a vida do nosso bebé, que é a nossa também. Não o está a ser para mim, pelo menos. Vou procurando, contudo, ultrapassar esses sentimentos negativos, escolhendo ver o copo meio cheio e agarrando-me às coisas boas. Em boa verdade, aos 36 anos, e no meio de uma verdadeira rotina esquizofrénica, engravidei logo na primeira tentativa...de uma menina, que era um dos meus maiores desejos. Há mulheres que passam por situações desesperantes, porque não conseguirem engravidar e só posso dar-me por muito feliz por não ter de passar por tal dor.

Já fui, novamente, observada e o meu colo recuperou ligeiramente. Hoje faço 30 semanas e continuo quietinha, à espera que chegues...mas só daqui a 7 semanas, ok bebé C.?

Pág. 1/2